Hemólise em Amostras “NOBRES”

OMS-fact-1A redução da hemólise é um desafio para os laboratórios clí­nicos, envolvendo fatores como a habilidade e conhecimento do coletador. Os laboratórios hospitalares, muitas vezes, não têm ação sobre a equipe de coleta, principalmente quando esta é feita pela equipe de enfermagem. Nesse caso, é necessário um trabalho conjunto para tentar reduzir as falhas pré-analíticas que podem acompanhar uma amostra. Amostras oriundas de berçário, UTI e emergência podem ser coletadas de cateter, e sabemos que esses dispositivos são prováveis causa de hemólise. Há que se pensar também que as condições clinicas dos pacientes podem ser causa de hemólise in vivo. Algumas medidas podem ser tomadas para minimizar a hemólise da amostra nos pacientes cateterizados, como por exemplo: o uso de micro tubos (permite reduzir o volume coletado com qualidade assegurada), evitar alterações no fluxo de sangue durante a coleta e o descarte do primeiro tubo (aquele cuja amostra esteve em contato mais próximo com medicamentos e soluções). É certo que as equipes trabalham sob ambiente de grande pressão e sobrecarga de trabalho, no entanto, o treinamento adequado é fundamental para obter amostras menos comprometidas, sobretudo aquelas obtidas em condições tão desfavoráveis.

Hemólise em Amostras “NOBRES”
Tagged on: